Igreja nos EUA recebe familiares de reféns israelenses: "É uma batalha espiritual"

  • 09/02/2024
Igreja nos EUA recebe familiares de reféns israelenses: "É uma batalha espiritual"
Igreja nos EUA recebe familiares de reféns israelenses: "É uma batalha espiritual" (Foto: Reprodução)

Recentemente, uma megaigreja batista em Dallas acolheu os familiares de duas pessoas mantidas como reféns pelo Hamas em Gaza. A iniciativa foi uma demonstração de solidariedade da comunidade cristã com Israel e seus cidadãos, em resposta ao aumento do antissemitismo.

No dia 28 de janeiro, Dalia Cusnir e Liel Slifer estiveram junto com o pastor Jeremiah Johnston durante os cultos na Igreja Batista Prestonwood, onde compartilharam suas experiências e destacaram a situação de seus familiares.

Aquele fim de semana coincidiu com o Dia da Memória do Holocausto, uma lembrança anual que ocorre no aniversário da Revolta do Gueto de Varsóvia.

Na quinta-feira, em uma entrevista à Fox News Digital sobre o evento, o pastor sênior Jack Graham enfatizou a importância de mostrar solidariedade para com Israel.

“Tivemos a honra de receber em Prestonwood as famílias afetadas pelas atrocidades cometidas contra os israelitas pelos terroristas do Hamas”, disse Graham, acrescentando que a sua congregação ficou “profundamente comovida” com as histórias de Slifer e Cusnir.

“O Hamas ainda mantém brutalmente mais de 100 pessoas como reféns e é imperativo que continuemos a amplificar as suas histórias e a pedir a sua libertação imediata”, acrescentou.

‘Batalha espiritual’

Graham ressaltou que a comunidade cristã deve "estar ao lado de nossos amigos judeus e de nossos amigos em Israel e exigir a libertação imediata dos reféns... Esta é uma batalha espiritual que afeta o mundo inteiro, e continuaremos lutando até que todos estejam em segurança em casa."

Cusnir, que vive em Israel, é cunhada de Eitan Horn e Yair Horn. Os dois irmãos foram capturados no Kibutz Nir Oz em 7 de outubro.

(Foto: Reprodução)
O pastor Jeremiah Johnston assegurou às duas mulheres as orações de sua igreja. (Foto: Batista Prestonwood)

Slifer, que é de Dallas, é prima de Carmel Gat, uma das últimas reféns ainda em confinamento. Gat foi sequestrada em 7 de outubro enquanto visitava seus pais no Kibutz Be'eri.

Falando à congregação da Igreja Prestonwood, Cusnir disse que estava ali para representar a voz de seus dois cunhados, Eitan e Yair, que são irmãos de seu marido, Amos. Ela compartilhou que seu marido foi convidado a ir à casa de Yair na véspera do ataque, mas decidiu não ir.

"Eles simplesmente pararam de nos responder. Não tínhamos ideia do que estava acontecendo."

"Quando o ataque terrorista começou, por volta das 6h30, eu estava em casa", disse Cusnir, e ela imediatamente correu com os filhos para o quarto seguro da família. A primeira coisa que ela fez foi ligar para Eitan e Yair, que relataram que estavam bem onde estavam, dentro de seu próprio bunker.

‘Chocados’

Uma hora depois, no entanto, a situação era completamente diferente.

“Ficamos chocados com os horrores que vimos”, disse Cusnir, quando as imagens do ataque começaram a ser transmitidas pela televisão israelense.

“A última mensagem que recebemos deles foi às 7h30”, disse ela. "Eles simplesmente pararam de nos responder. Não tínhamos ideia do que estava acontecendo."

Inicialmente, Cusnir e sua família tentaram encontrar explicações para o repentino silêncio dos dois homens. Talvez, pensaram eles, as baterias dos celulares tivessem acabado ou os sinais dentro do quarto seguro não estivessem sendo recebidos corretamente.

Naquela noite, porta-vozes do exército informaram a eles que tinham ido à casa de Yair no kibutz, mas nenhum dos homens estava lá.

Inicialmente, os dois irmãos foram classificados como "desaparecidos", pois ainda não haviam identificado todos os corpos no kibutz.

‘Algo errado’

Foi somente em 25 de novembro, quando a primeira leva de reféns começou a ser libertada, que Cusnir e sua família receberam a notícia de que Eitan e Yair estavam, de fato, sendo mantidos como reféns em Gaza.

“Esperamos e oramos para que eles ainda estejam vivos e que os veremos de volta o mais rápido possível”, disse Cusnir.

Slifer, que estava no Texas durante o ataque, compartilhou que levou um momento para processar o que estava acontecendo enquanto recebia imagens e vídeos do Kibutz Be'eri.

Semelhante à reação de Cusnir, Slifer "inicialmente não achou que algo estava errado", disse ela, enquanto recebia mensagens de texto de seus primos durante o ataque.

Além de Carmel, seu irmão Alon, sua cunhada Yarden e sua sobrinha, Geffen, estavam todos visitando o Kibutz Be'eri.

Hamas terrorists still brutally hold over 100 people hostage, including family members of those in the Dallas/Ft. Worth community. This morning, we welcomed family members of those held by Hamas to church to tell their stories. Please watch & please pray for these captives to be… pic.twitter.com/Mfb8UdgnCr

— Jack Graham (@jackngraham) January 28, 2024

“E então eles ficaram em silêncio”, ela contou.

"Os terroristas invadiram a casa deles", disse ela, "e mataram os primos um por um."

A mãe de Gat, Kinneret, foi morta. Slifer mesma viu o corpo de Kinneret em um vídeo postado pelo Washington Post.

"Tivemos que ligar para a família dela em Israel e dizer-lhes: 'Embora ainda não tenhamos encontrado o corpo, achamos que ela provavelmente foi assassinada'", disse Slifer, contendo as lágrimas. "A filha dela, Carmel, foi levada."

“O Hamas é uma organização de terroristas – eles vieram até nós, mas também têm outros alvos.”

Alon e Geffen conseguiram escapar de seus sequestradores. Yarden foi feita refém e libertada em novembro de 2023, relatou Slifer.

“Carmel ainda é mantido como refém em Gaza”, disse Slifer. "Ela é apenas seis meses mais velha que eu. Costumávamos dormir na casa dos avós dela em Israel."

Quando um grupo de crianças foi libertado, relataram que Gat estava seguro e saudável.

Até o momento não houve atualizações sobre seu status dessas pessoas desde então.

‘Não se esqueçam’

Cusnir deixou uma mensagem simples para a comunidade batista de Prestonwood: "Continuem falando sobre o que está acontecendo e não se esqueçam."

“Isto não é apenas contra Israel”, disse ela. “O Hamas é uma organização de terroristas – eles vieram até nós, mas também têm outros alvos.”

Cusnir diz que a situação dos reféns é uma “coisa humanitária”.

"Não se trata de um pedaço de terra. Não se trata de direita, de esquerda – isto é só porque eles querem destruir o povo judeu, e não apenas o povo judeu."

Ela continuou: “Precisamos da sua ajuda para manter esta mensagem como algo humanitário”.

Slifer manifestou um sentimento semelhante. 

“Prestonwood sempre estará ao lado de Israel.”

(Foto: Reprodução)
Jack Graham, pastor sênior da Igreja Batista de Prestonwood, encontra-se com os familiares dos reféns em Gaza. (Foto: Batista Prestonwood)

"Isto não é política; isto não é esquerda versus direita, judeus versus cristãos. Isto é o bem e o mal", disse Slifer. “É uma batalha entre o bem e o mal. E precisamos de todos vocês, todos os dias, para serem expressivos e solidários.”

“Isso não está afetando apenas a nós, está afetando o mundo”, disse Slifer.

O pastor Johnston garantiu às duas mulheres que oraria por suas famílias e por Israel.

“Prestonwood sempre estará ao lado de Israel”, disse ele.

FONTE: http://guiame.com.br/gospel/israel/igreja-nos-eua-recebe-familiares-de-refens-israelenses-e-uma-batalha-espiritual.html


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

No momento todos os nossos apresentadores estão offline, tente novamente mais tarde, obrigado!

Top 5

top1
1. Me atraiu

Gabriela Rocha

top2
2. Bênçãos Que Não Têm Fim (Counting My Blessings)

Isadora Pompeo

top3
3. És o Amor

Gabriela Rocha

top4
4. Santidade (Ao Vivo na Suiça)

Aline Barros

top5
5. Se o Mar Não Se Abrir (Ao Vivo)

Kemilly Santos, Damares

Anunciantes